• Ateliê Véra Oliveira



    Cursos de Técnicas Artísticas:

    PINTURA - DESENHO
    MOSAICO BÁSICO - CONTEMPORÂNEO
    MOSAICO BIZANTINO
    PATCHWORK INCRUSTÉ
    COLAGEM
    TEORIA DA COR
    COMPOSIÇÃO

    Turmas abertas.

    Informações: (61) 3273-1326 e 8141-8570

    Glenio Bianchetti , nome referencial da arte brasileira

    0
    scissors
    janeiro 18th, 2014VeraArte-educação, História da Arte, Mídia, Pintura

    Da entrevista de Glenio Bianchetti a Francisco Dalcol para o jornal Zero Hora em 18/01/2014.

    glenio1

    “Tenho uma saudade lírica e toda especial de Porto Alegre”

    glenio3

    Cultura – Como o senhor se sente ao fazer parte de uma geração fundamental para a arte moderna no Rio Grande do Sul nos anos 1940 e 1950, período em que predominava certo conservadorismo?
    Glenio Bianchetti – Sinto falta desse convívio com os companheiros. Era um convívio muito sadio, muito bom. Nos clubes de gravura, fizemos uma espécie de família, reuníamos muita gente, de várias áreas. Estávamos entre poetas, pintores, músicos, teatrólogos… Vivíamos o tempo inteiro trabalhando, discutindo, lendo, em contato uns com os outros, sendo estimulados. Sabíamos o que estava acontecendo em São Paulo e no resto do Brasil. Esse ambiente de troca de ideias e críticas foi fundamental, porque nosso meio de conhecimento estava entre nós mesmos. Fazíamos as maiores críticas uns para os outros: “Vem cá, meu filho, tu tá saindo do ritmo, entrando em outra coisa”. Eram críticas pesadas, mas nunca ninguém teve ressentimentos. Cada um aceitava a crítica, discutia coletivamente. Foi muito bom. Aprendemos mais no ateliê do que na escola de artes. Foram clubes de amigos. Nosso grupo todo era “duro”. O pouquinho de dinheiro que cada um tinha, a gente reunia para o aluguel de uma casa para nós, onde pudéssemos fazer um ateliê coletivo. Na verdade, me dá uma certa angústia. Essa geração nova não me conhece pessoalmente, só de nome. E minha geração quase toda já morreu, é uma coisa impressionante. Fulano? Morreu. E fulano? Morreu. Tem eu e o Danúbio (Gonçalves). Vou ao Sul e fico um tanto chateado, por me sentir desarvorado e também quase anônimo.

    5a7e82ec8cdb5abf1fefe3a50de5ba10

     

    E no Correio Braziliense, outra excelente entrevista com Glenio Bianchetti :

    http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/ciencia-e-saude/2012/12/11/interna_ciencia_saude,338444/nao-sabia-se-era-melhor-ser-aluno-ou-professor-diz-glenio-bianchetti.shtml

     

Leave a reply